domingo, 12 de setembro de 2010

"Mercado de arte vive boom pré-bienal"

Leia aqui:

Boom no mercado brasileiro de arte

Detalhe de obra do artista plástico Tunga;


E arte produzida nos vários estados? Certamente há inúmeros artistas que continuam fora do circuito da Bienal, o que poderia ser alterado se fosse criado um canal de contato entre a organização da Bienal e artistas das diferentes regiões do Brasil. Talvez um site que reunisse uma amostra coletiva... Mas sem aflição. Criar independe de bienais, de altas cotações. E, convenhamos, há quem adquira obras de arte não porque tenha estima por elas enquanto arte, mas estima pelo lucro. Se o mercado está promissor, então investe-se, e não sem uma boa assessoria, do mesmo modo como se compram ações. 
Criar, criar. "Atrevei-vos!", disse Nietzsche.

2 comentários:

Marcantonio disse...

Análise perfeita. Quem, amando verdadeiramente a arte, ousaria discordar. Não é raro lermos a expressão "movimenta tantos milhões" em revistas de arte e cultura, como se fosse um índice infalível da qualidade. Às vezes, e talvez por meu excesso de romantismo, acho que a arte passa ao largo de tudo isso.

Se me permite, sempre me senti tungado diante de uma obra (e do discurso!) do Tunga. Deus...

Abraço.

nivaldete ferreira disse...

É, Marcantonio, essa história de 'boom' pode é gerar um enlouquecimento para 'fazer o que está agradando'. E o mercado acaba por definir as regras. A coisa é séria, mas não deve desanimar quem realmente deseja criar.
Um abraço de fé na arte!