domingo, 19 de dezembro de 2010

Georges Rousse

"O pai do geometrismo espacial
» News / por Zupi
Georges Rousse é um fotógrafo por excelência. Afinal, a visão que suas imagens nos oferecem só pode ser experimentada ali, daquele preciso ângulo e naquele exato momento. Adepto da técnica conhecida como trompe l’oeil, que usa truques de perspectiva para criar ilusões de óptica, o francês cria pinturas que, vistas de certo ponto, mais parecem intervenções digitais sobre imagens capturadas com uma câmera.
Em seu trabalho, nenhum elemento é manipulado em computador, de modo que tudo se baseia em formas criadas à mão e conjuntos decorativos situados estrategicamente no espaço.
Em suas obras, geralmente criadas em locais abandonados, nada é por acaso: cada milímetro é planejado para que, no momento do clique final, o simulacro de volume se apresente na íntegra, quase como uma realidade alternativa. As irregularidades das paredes e elementos do ambiente são anuladas e passam a compor formas de duas dimensões, como círculos e quadrados."




image

Fonte: http://www.zupi.com.br/index.php/site_zupi/view/o_pai_do_geometrismo_espacial/

Coletiva da Galeria Arte Plural

Coletiva de fim de ano da Galeria Arte Plural - Recife (Estado de Pernambuco)
Até 30 de Janeiro de 2011

Artistas:    Alberto Cunha Melo  (in memoriam)

Almandrade
Daniel Santiago, Humberto Magno, Fernando Vasconcelos
e Roberto Botelho

............

Geometrias, escritas e gestos

Raul Córdula

Esta coletiva de fim de ano que a Galeria Arte Plural – um dos poucos
espaços comerciais brasileiros especializado em fotografia de alta
qualidade, e também em artes visuais presentes em circuitos
alternativos – promove agora, tem dois sentidos. O primeiro é o da
memória, quando coloca a arte de dois importantes e históricos
artistas sessentões, Daniel Santiago e Humberto Magno, ao lado de dois
“novos-maduros” como Fernando Vasconcelos e Roberto Botelho.

O outro sentido, não menos interessante, é a presença de Almandrade,
artista baiano de Salvador – é preciso dizer isto porque hoje o
interior da Bahia é pródigo de boa arte, haja vista Feira de Santana e
o Recôncavo. A presença de Almandrade nos traz de novo a intenção de
intercambiar nossa manifestação mais ativa deste mundo do Nordeste, e
a sua geometria simbólica nos mostra como esta tendência da arte é tão
perene, tão renovada na sua sutileza latinoamericana. Almandrade
também é um artista que escreve sobre teoria da arte defendendo pontos
de vista contemporâneos no seu conteúdo. É a primeira vez que o
público do Recife verá sua obra.

Todos eles, de certa maneira, são geométricos, isto é, têm na
geometria, exata ou sensível, a referência para pensar o mundo. Mesmo
Fernando e Daniel, que se mostram mais gráficos que exatos, sugerem a
geometria nas origens de suas criações, onde se sente o poema
processo, o poema visual e a poesia concreta.

Fernando descende do binômio concretismo/neoconcretismo que tem origem
no modernismo atuante no eixo (Rio/São Paulo) nos anos 50, embora ele
não seja tão antigo. Este período nos trouxe também a poesia concreta
que inspira esta série de pinturas que ele mostra agora, embora sua
arte tenha por base uma geometria elegante e rigorosa. Mas justamente
o grafismo espontâneo que hoje se vê nas ruas descende também, no seu
caráter urbano, do grafismo industrial, da tipografia, da animação
visual da metrópole, o que, em Fernando, se traduz nestes poemas
derramados.

Daniel Santiago é  uma lenda viva na arte do Recife. Vanguardista nos
anos 70 foi um pioneiro de novas mídias como a arte postal, a arte em
“out door”, a xerografia, o cinema de artista e a arte digital.
Trabalhou ao lado de Paulo Bruscky mantendo a equipe Bruscky/Santiago,
produzindo “happenings” – o equivalente a “performances há duas
décadas. É importante sua presença nesta mostra, pois se trata também
de seu retorno ao público que há muito não contempla sua obra no
Recife. Daniel mostrará, no entanto, um trabalho mais recente e
diferente do que estamos acostumados a ver, são desenhos a quatro
mãos, em conjunto com o saudoso poeta Alberto Cunha Mello. Esta
parceria, rara e preciosa, nos fala de como é intensa a relação
interpessoal entre as poéticas artística e literária.

Humberto, advindo de uma geometria rigorosa, sua penúltima fase, se
volta para o realismo da indústria utilizando como suporte embalagens
de isopor aonde pinta suas composições. Com Almandrade, forma o
conjunto tridimensional da mostra. Sua história artística inicia-se na
Olinda dos anos 60, no Movimento da Ribeira, continua na Bahia onde
criou e executou um mural em relevo para o centro Administrativo, ao
lado dos mais importantes artistas baianos da época. Na Bahia Humberto
se formou em arquitetura e exerce este mister atualmente no Recife

Roberto é o pintor por excelência, amante da cor e da estética
moderna, de quando a retina era – e continua sendo – gratificada pela
cor, pela harmonia, pela marca da mão e pelo surpreendente inesperado.
No Recife é publicitário, mas na sua carreira profissional sempre
esteve ao lado da arte independente, isto é, não aplicada como é o
caso da arte da propaganda. Seu vasto currículo se confunde com o de
muitos artistas de sua geração que freqüentam as galerias com
assiduidade.

Persiste, no entanto, um equívoco recorrente do tradicionalismo que
ainda nos oprime, modernos que somos: trata-se da distinção entre arte
geométrica e o simples ornato. Isto talvez seja gerado pela visão
belasarteana que se impõe nas três principais categorias da arte
acadêmica – figura, paisagem e natureza morta – sobre todas as outras
formas de arte advindas do modernismo que já completa, desde o
impressionismo, quase dois séculos de existência.

Escrevi no prefácio de uma exposição do amigo Braz Marinho, um
geométrico contumaz: “A questão da arte geométrica não reside na
forma, mas no conteúdo – o conteúdo da forma – que se revela na
impressão de tensões produzida no olhar. Arte geométrica não é a arte
da forma, não significa produção de formas em composições decorativas,
mas a criação de poéticas construídas a partir do ritmo, da cor e do
material expressivo, onde a forma geométrica pode ser a constante. Os
artistas geométricos, embora pareçam ser artistas do “bom gosto”, do
subjetivismo, da arte fácil e simplificada capaz de ser executada sem
a participação do artista, embora pareçam designers, e não artistas
estão envolvidos em questões filosóficas que os levam a plasmar
idéias, mais que imagens.”

Recife é uma cidade cheia de vanguardas, desde o evento de 22, quando
nossos representantes eram artistas de tendência construtivas – Cícero
Dias com seu desenho judiciosamente diagramado na página que evoluiu
para uma pintura geométrica nos anos 50, e Vicente do Rêgo Monteiro
com sua figura geometrizada – passando pela arte geometria tropical de
Lula Cardozo Ayres, pela obra de Aloisio Magalhães, misto de arte e
design como foi o desenho industrial brasileiros no tempo de sua
implantação feita pelo próprio Aloisio. Se prestarmos atenção, veremos
contaminações geométricas na obra de Hélio Feijó, Abelardo da Hora e
Corbiniano Lins, e do Mestre Ypiranga, por exemplo, nas suas
bricolagens metálicas e vanguardistas. Na década de sessenta Montez
Magno e Anchises Azevedo, e hoje temos, além de Braz e dos que são
motivos deste comentário, José Patrício, Eudes Motta e Sebastião
Pedrosa, por exemplo. Então esta arte geométrica e sua consequência, a
arte de origem grafista, continuam existindo no Recife com força
criativa e renovadora.

(recebido por e-mail)

sábado, 4 de dezembro de 2010

Marcantonio, artista plástico


 Marco Antônio Soares da Costa (Marcantonio) nasceu em 1964, no estado do Rio de Janeiro. Dedica-se às artes plásticas desde o final da década de 70. Autodidata, sempre procurou aliar uma intuição natural à busca de informações e aprimoramento técnico e teórico, através do estudo da filosofia, estética e história da arte. Participou, ao longo da década de 90, de 20 exposições coletivas e realizou três individuais.  Trabalha com pintura, desenho e monotipia. Exerce o ensino particular. Desde 2005, desenvolve o tema de sua mais recente exposição individual,  que têm como ponto de partida a gravura “Melancolia I” de Dürer, fruto de novas pesquisas e reflexões. Figura no guia “Artes-Plásticas no Brasil” (www.juliolouzada.com.br)


sábado, 27 de novembro de 2010

I FÓRUM EM ARTES&DESIGN da UFRN

I FÓRUM EM ARTES&DESIGN da UFRN
27, 28, 29 e 30 de novembro de 2010
UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte
CCHLA – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes
DEART – Departamento de Artes
AV&D – Artes Visuais & Design


Estamos, os professores dos cursos de Artes Visuais e de Design do Departamento de Artes da UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, organizando o “I Fórum em Artes e Design na UFRN” com a intenção de  fomentar as discussões sobre a investigação em Artes Visuais e em Design.

Envolve professores, alunos e palestrantes convidados com o intuito de criar um lugar de conversa e reflexão sobre as práticas de pesquisa, tanto em Artes Visuais, quanto em Design. Foram pensados os eixos temáticos: Poéticas Sensoriais, Intermediação humano-ambiente e Estética, cultura e mediações.
Poéticas sensoriais
Neste campo de pesquisa será discutido o processo de significação, de criação artística e de geração de obras de  Artes Visuais em um sentido amplo e multisensorial. Serão também  observadas as poéticas interdisciplinares relacionadas aos meios tecnológicos, propondo uma discussão sobre a sintaxe das linguagens visuais contemporâneas através da produção da arte aliada à elaboração teórica sobre o objeto artístico.
Intermediação homem-ambiente

Pretende-se observar, por meio desta linha conceitual, as interações entre humanos e entre os humanos e os artefatos, os processos, os espaços construídos e habitados, os serviços e seus sistemas. Propõem-se considerar, tanto as questões metodológicas ligadas ao projeto em arquitetura e urbanismo, ao design e a outras manifestações interativas, quanto às questões ligadas aos efeitos da interação sobre a percepção, a cognição e o comportamento das pessoas.
Estética, cultura e mediação

Por este viés conceitual pretende-se discutir os processos que favorecem a interlocução entre o sujeito que se apropria da Arte, da Cultura e do Design, com o próprio modo de ordenar e dar sentido a esta experiência, seja pelo ponto de vista de um mediador, seja pelo campo de estudos culturais. A interlocução ora considerada é aquela feita por meio do julgamento e da percepção de estruturas, com direção e regras próprias e que estão presentes nas artes, nos artefatos, no comportamento, nos modos e maneiras criados pela vivência habitual do ser humano.
Pesquisa em Artes e Design

Os fóruns criam um lugar de debate público. Neles normalmente são levantadas questões, opiniões críticas, observações e análises acerca de um assunto que poderão ser comentadas, refutadas e/ou modificadas pelos participantes. Alem disso, quem se interessar, poderá acrescentar outras intervenções ou apresentar novas contribuições à temática após ler o conteúdo tratado no Fórum. É com este espírito que desejamos iniciar uma discussão de caráter formativo em favor da pesquisa em Artes&Design. Cada investigador, pelo seu próprio ponto de vista, terá oportunidade de gerar um espaço de discussão acerca e ao redor de sua área de pesquisa.
Palestrantes:
Lorenzo Mammì
Palestra: A Autonomia da Arte
Renata Camargo Sá
Palestra: Estética e Poética
Caio Adorno Vassão
Palestra: Autonomia Epistemológica do Design,
Design da Interação e Complexidade
Miriam Celeste F. Dias Martins
Palestra: Pesquisa em mediações
Claudia Rocha Mourthé
Palestra: O Gosto Estético e a Diversidade Cultural: levando em consideração o racional e o emocional do indivíduo
Everardo Ramos
Palestra: Introdução à Pesquisa em Cultura e Arte Popular
Eventos culturais
Exposição – 27/11 às 19h
Deambulações, devires e deslocações
Curadoria: Maria do Mar Vazquez y Manzano)
Cordel – 27/11 às 20h
Poetas: Abaeté do Cordel e Juarez Araújo
Xilógrafo: Erick Lima
As Cores de Frida – 30/11 às 17h30
Projeto cores. Espetáculo

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Exposição de Máscaras: Plínio Faro

No próximo sábado, 27, Plínio Faro abrirá sua exposição de máscaras,  a partir das 18h, no seu ateliê, à rua São José, 1311, proximidades do Baobá do Poeta-Natal-RN.
Todos estão convidados.

(recebido por e-mail)

domingo, 21 de novembro de 2010

Bolsa "Iberê Camargo"

Criada em 2001 com o objetivo de fomentar a produção artística contemporânea no Brasil, a Bolsa Iberê Camargo está comemorando uma década de existência. Para marcar a data, a Fundação lança hoje o edital 2010, junto da abertura da exposição Convivências – dez anos da Bolsa Iberê Camargo, que reúne todos os artistas contemplados até agora pelo programa.

Nesta décima edição, a iniciativa vai levar um artista para uma residência no Bronx Museum of Arts
, em Nova York, nos Estados Unidos, e outro para a Universidad Torcuato di Tella, em Buenos Aires, na Argentina. No ato de inscrição, os projetos já deverão ser pensados para a instituição escolhida.

Além disso, como nas últimas edições, serão selecionados dez artistas que receberão destaque na Revista Digital do site da Fundação Iberê Camargo e um artista que participará do Programa Artista Convidado do Ateliê de Gravura, em Porto Alegre.

Podem se inscrever artistas que tenham pelo menos quatro anos de produção sistemática em arte e participação comprovada em, no mínimo, três exposições individuais e/ou coletivas. A ideia é incentivar artistas em processo de formação e possibilitar o intercâmbio de ideias, vivências e propostas realizadas dentro e fora do Brasil.

Para participar, basta clicar aqui e ler com atenção o regulamento. As inscrições estão abertas de 11 de novembro de 2010 a 7 de fevereiro de 2011. Participe!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

"Crítica na Rede"

Para quem se interessa por crítica de arte:

CRÍTICA NA REDE

Alguns tópicos:  
O que é arte,

O problema da definição de «obra de arte»,

O que é a estética...

domingo, 26 de setembro de 2010

Salão dos Artistas Sem Galeria

O Mapa das Artes recebe até 12/11/10 inscrições para a segunda edição do Salão dos Artistas Sem Galeria. O evento tem como objetivo avaliar, exibir e divulgar a produção de artistas plásticos brasileiros que não tenham contratos formais ou verbais (representação) com galeria de arte em São Paulo. Serão selecionados 10 artistas que participarão de mostra coletiva em São Paulo e possivelmente no Rio de Janeiro.
O edital completo e a ficha de inscrição estão disponíveis na seção Salões do site Mapa das Artes.

 Fonte: http://mapadasartes.com.br/

domingo, 19 de setembro de 2010

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

29ª Bienal de São Paulo na revista BRAVO!

A revista BRAVO!, edição de setembro, dedica várias páginas à 29ª edição da Bienal de São Paulo, que custou R$30 milhões. Destaca  três dimensões relevantes da produção contemporânea: "a exploração do mundo da fantasia, o encontro com os "clássicos" -os precursores da arte atual-  e as novas formas de arte política". 
Moacir dos Anjos (um dos curadores; o outro é Agnaldo Farias) diz lá na página 28: "Interessam-nos os artistas que surpreendem, que colocam em xeque o nosso repertório. Para nós, política é o encontro com o desentendimento" (p. 27).
O título é um verso de Invenção de Orfeu, do alagoano Jorge de Lima: "Há sempre um copo de mar para um homem navegar". Outros dois nordestinos participam dessa bienal: Gil Vicente e Paulo Bruscky (pernambucanos), este com registros fotográficos de performances que realizou em 1977.
Para saber mais, acesse: www.bravonline.com.br

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Curadoria no mundo globalizado


Debate sobre o papel da curadoria no mundo globalizado
 
Goethe-Institut São Paulo recebe a diretora artística da documenta 13 Carolyn Christov-Bakargiev e Lisette Lagnado, curadora-chefe da 27ª Bienal de São Paulo
 
O papel da curadoria de arte contemporânea em um mundo globalizado e a abordagem do contexto sóciopolítico em práticas curatoriais são alguns dos temas a serem debatidos por Carolyn Christov-Bakargiev, diretora artística da Documenta 13, e Lisette Lagnado, curadora-chefe da 27ª Bienal Internacional de São Paulo (2006).
 
O debate acontece no Goethe-Institut São Paulo, no dia 16 de setembro, às 19h30 e tem mediação do Fórum Permanente: museus de arte entre o público e o privado, co-realizador do evento.
 
A norte-americana Christov-Bakargiev foi indicada em 2008 pelo conselho da documenta, mais importante mostra de arte contemporânea, para a diretoria artística. Isso a torna a segunda mulher e a primeira norte-americana a ser curadora da documenta, cuja 13ª edição acontecerá em 2012.
 
O Goethe-Institut São Paulo também organiza, junto com o Fórum Permanente e o Centro Cultural São Paulo, o Encontro Internacional de Curadoria, que irá acontecer nos dias 17 (fechado) e 18 de setembro (aberto ao público), no Centro Cultural São Paulo. O encontro reúne curadores, artistas e produtores de arte com o objetivo de discutir os pensamentos e as práticas curatoriais em meio à crise do capitalismo e às mudanças globais em processo, assim como intensificar as práticas colaborativas e as redes. Serão abordados temas como curadoria institucional e independente; curadoria, mediação e educação; ensino curatorial, entre outros.
 
Os resultados das discussões entre os participantes do encontro fechado no dia 17 de setembro serão apresentados ao público no dia 18 de setembro, às 18h30, na Praça das Bibliotecas, no Centro Cultural São Paulo. Foram convidados para o encontro Mark Nash (Royal College of Art, Londres), Carolyn Christov-Bakargiev (documenta 13), Ann Demeester (de Appel, Amsterdã), Chus Martinez (Museu de Arte Contemporanea de Barcelona/IKT), Lisette Lagnado (FASM), Cristiana Tejo (FJN), Ricardo Resende (CCSP), Felipe Chaimovich (MAM-SP), Marcelo Araújo (Pinacoteca), entre outros.
 
 
 
Serviço
 
Debate Carolyn-Christov Bakargiev e Lisette Lagnado
16 de setembro de 2010, às 19h30
Goethe-Institut São Paulo
Rua Lisboa, 974
Entrada franca
Transmissão online: www.forumpermanente.org
Tradução simultânea
Entrada franca
 
Realização: Goethe-Institut São Paulo, Fórum Permanente
 
 
 
 
Encontro Internacional de Curadoria Fórum Permanente 
17 de setembro (fechado)
18 de setembro, 18h30 (aberto ao público)
Centro Cultural São Paulo
Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso
Transmissão online: 
www.forumpermanente.org
Tradução simultânea
Entrada franca
Realização: Goethe-Institut São Paulo, Fórum Permanente, Centro Cultural São Paulo
Parceria:  Centro Cultural de España/AECID, Pinacoteca do Estado
Apoio: British Council, Ministério da Cultura (MinC), Mondriaan Foundation, Museu de Arte Moderna de São Paulo , Pinacoteca do Estado, Faculdade Santa Marcelina, Escola de Comunicações e Artes da USP, Centro de Computação Eletrônica da USP
 
 
Carolyn Christov-Bakargiev
Carolyn Christov-Bakargiev nasceu em 1957 em Ridgewood, Nova Jersey , EUA. Estudou literatura e história da arte em Pisa e graduou-se Magna cum Laude em 1981. Trabalhou como curadora independente e, em 1999, foi nomeada curadora sênior do P.S.1 Contemporary Art Center em Nova York, onde atuou até 2001. Entre 2002 e 2008 Christov-Bakargiev foi curadora-chefe do Castello di Rivoli Museum of Contemporary Art, em Turim e, em 2009, diretora artística do museu. Em 2008 foi diretora artística da Bienal de Sydney, na Austrália. Christov-Bakargiev também lançou vários livros sobre Arte Povera, e dedicou-se a artistas como William Kentridge e Janet Cardiff, deste último publicando suas primeiras monografias. Trabalha como curadora de arte em Roma, Turim e Nova York.
 
 
Lisette Lagnado
Lisette Lagnado reside e trabalha em São Paulo. Doutora em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2003), atualmente leciona no Mestrado em Artes Visuais, Faculdade Santa Marcelina. Iniciando sua trajetória em 1981, foi co-editora, com Márion Strecker, da revista Arte em São Paulo, fundada por Luiz Paulo Baravelli. No final dos anos oitenta, editou a revista Galeria antes de ser repórter especializada em artes para a Folha de S. Paulo. Sua primeira curadoria A presença do Readymade (MAC/USP) ganhou o Prêmio de Melhor Exposição do Ano da APCA (1993). Em 2010, apresentou a curadoria Desvíos de la deriva  (MNCARS, Madri). A mostra é o desenvolvimento de um trabalho anterior de investigação sobre o Programa Ambiental de Hélio Oiticica que, entre outros, resultou na organização de grande parte dos manuscritos de Hélio Oiticica em um banco de dados on-line, hospedado no site do Itaú Cultural. Esta pesquisa também serviu de base para seu projeto de curadoria da 27ª Bienal de São Paulo (2006),Como viver junto.
 
Goethe-Institut São Paulo
 
 
Instituto cultural da República Federal da Alemanha, o Goethe-Institut está presente em 83 países com a missão de promover o conhecimento da língua alemã no exterior e fomentar o intercâmbio cultural internacional. Em São Paulo , o Goethe-Institut organiza e apoia um amplo espectro de eventos culturais que apresentam a cultura alemã e promovem o diálogo intercultural. O Goethe-Institut São Paulo é aberto ao público e está situado na Rua Lisboa, 974, em Pinheiros. Mais informações pelo telefone 3296-7000 ou no site www.goethe.de/saopaulo
 
 
 
Erika Allexandra Balbino
011 3482-2510 begin_of_the_skype_highlighting              011 3482-2510      end_of_the_skype_highlighting
www.baobacomunicacao.com.br

domingo, 12 de setembro de 2010

"Mercado de arte vive boom pré-bienal"

Leia aqui:

Boom no mercado brasileiro de arte

Detalhe de obra do artista plástico Tunga;


E arte produzida nos vários estados? Certamente há inúmeros artistas que continuam fora do circuito da Bienal, o que poderia ser alterado se fosse criado um canal de contato entre a organização da Bienal e artistas das diferentes regiões do Brasil. Talvez um site que reunisse uma amostra coletiva... Mas sem aflição. Criar independe de bienais, de altas cotações. E, convenhamos, há quem adquira obras de arte não porque tenha estima por elas enquanto arte, mas estima pelo lucro. Se o mercado está promissor, então investe-se, e não sem uma boa assessoria, do mesmo modo como se compram ações. 
Criar, criar. "Atrevei-vos!", disse Nietzsche.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Sobre crítica de arte: Clóvis da Rolt

" Crítica de arte ou arte da crítica?
O texto escrito como ferramenta de mediação"
Clóvis Da Rolt
O autor tem Licenciatura Plena em Artes Plásticas (UCS) e é Mestre em Ciências Sociais
(Unisinos). Atualmente, é doutorando em Ciências Sociais (Unisinos).
ANTARES, n°2, jul-dez 2009
 Leia aqui:

http://www.ucs.br/ucs/tplRevistaLetras/posgraduacao/strictosensu/letras/revista/2/sumario/critica_arte.pdf

Oscar D´Ambrosio, crítico de arte

Leia crítica de arte por Oscar D´Ambrosio aqui:
http://www.joaowerner.com.br/textos-sobre-joao-werner/texto-de-oscar-dambrosio-sobre-pinturas-cinzas.htm

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Concurso Logomarca

A Secretaria de Assuntos Estudantis/SAE abriu inscrições para o Concurso da Logomarca do Projeto "Coleta Seletiva nas Residências Universitárias da UFRN.
    Período da Inscrição de 07 a 21 de julho de 2010;
    Horário das 8 às 11 e das 14 às 17 horas;
    Local: Sala do Setor de Orçamento e Patrimônio/SOP da Secretaria de Assuntos Estudantis/SAE
    Telefone: 3215.3398
    Divulgação do Resultado: Previsto para o dia 30/07/2010 na página da SAE na Internet www.sae.ufrn.br
    Informações, Edital, Regulamento e Ficha de Inscrição: na Sala do SOP
    Prêmio: um NETBOOK

terça-feira, 16 de março de 2010

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Andruchak produz mural em Bento Gonçalves-RS




Marco da sustentabilidade ambiental na obra de Andruchak

Mural, na Serra Gaúcha, inaugurado em Bento Gonçalves é uma iniciativa de Proamb, Fiema Brasil 2010 e UCS
A Serra gaúcha já tem um marco para se inspirar como símbolo do polo de desenvolvimento sustentável com que se pretende transformar a região. Na noite do dia 4 de fevereiro de 2010 (quinta-feira), foi realizada a cerimônia oficial de entrega e o descerramento do mural Plataforma da Sustentabilidade Ambiental. A obra, executada pelo artista plástico muralista Marcos Andruchak, é uma iniciativa da Fundação Proamb, Fiema Brasil (Feira Internacional de Tecnologia para o Meio Ambiente) e Universidade de Caxias do Sul (UCS). O trabalho está em exposição permanente no Bloco H do Campus Universitário Região dos Vinhedos (Carvi), em Bento Gonçalves (RS).
O evento de inauguração contou com a participação de diversas autoridades, como o Secretário Geral do Ministério da Educação, Franclin Costa do Nascimento, o prefeito de Bento Gonçalves, Roberto Lunelli, o sub-reitor do Campus Universitário da Região dos Vinhedos, José Carlos Köche, o presidente da Fiema, Marcio Chiaramonte, e a Presidente da Proamb, Juliana Dal Piaz. Em seu discurso, o secretário Nascimento salientou a importância da obra e do trabalho desenvolvido em prol do meio ambiente e da sustentabilidade. Reforçou também a importância das ações voltadas para a inclusão social, uma de suas bandeiras e atuações dentro do ministério. A referência se deveu a realização de um segundo mural pelo artista, com o título Venha viver a vida...assim como ela é, dado de presente ao Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Especiais (Napne - IFRS), de Bento.
Após o descerramento do mural, Andruchak -que é Professor e Vice-Chefe do Departamento de Artes da UFRN- fez uma breve apresentação da obra e dos símbolos que a compõem. “A lâmpada remete às ideias e elas brilham. Esse brilho é como uma engrenagem que faz mover tudo”, iniciou o autor. Ele fez questão de enaltecer outros itens, como o símbolo da reciclagem, os peixes, as águas e as árvores, que remetem aos homens, agentes que devem estar voltados para a preservação. “Dei uma palha. Cabe a cada observador buscar os outros símbolos, que fazem sentido para todos”, argumentou Andruchak.
O mural representando a plataforma de sustentabilidade ambiental tem 4,5m x10m, foi feito em relevo de artamassa pigmentada e estilo geometricista, levou três dias (e noites) para ser realizado, mais dois meses de planejamento anterior e integra a programação do Salão Internacional de Artes da Fiema Brasil. O artista plástico, renomado internacionalmente e com murais em diversas cidades brasileiras, teve a colaboração de pessoas da comunidade e das equipes da Proamb e Fiema na execução da obra, que é parte de um trabalho de integração mantido por ele no Projeto de Extensão Andruchak Arte Brasil, Proex e Deart, da UFRN de Natal, no Rio Grande do Norte.

(Vinícola Aurora e Cromo Gráfica e Editora deram apoio ao evento.)

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Formatura da 1ª turma do curso de Artes Visuais-DEART/UFRN


Colação de Grau: hoje, às 19h, no Auditório da Reitoria-UFRN.
Parabéns a Glaudete, Leandro, Veríssimo e Cláudia!
Que tenham muito trabalho pela frente!