domingo, 21 de junho de 2009

Affonso Romano de Sant´Anna critica 'arte contemporânea' em entrevista publicada na revista online Conexão Maringá

"No futuro a arte será completamente híbrida ou ainda haverá a compartimentação?

Se olharmos a história da arte, veremos que ela começa híbrida. No princípio, quando não havia nenhum teórico analisando a arte, a dança a música, a poesia, o canto, o teatro era uma coisa só. Depois tivemos uma compartimentação acadêmica. Já no século 19, Wagner propunha a tese da arte total e a ópera seria esse gênero que reuniria música, poesia, artes plásticas, teatro. A ideia da arte total é muito antiga. E importa menos que ela seja total, e mais que seja arte.

Nesse contexto, há espaço para artistas que se dedicam apenas à criação desvinculada do mercado?

Depende. Alguns artistas podem furar esse bloqueio, por uma série de condições. Mas é uma tarefa muito mais complicada, pois estará indo contra a corrente. Hoje a arte se transformou numa commodity, controlada por um mercado internacional que está na mão de alguns grupos. Grande parte da arte ocidental deriva de Charles Saatchi, um grande galerista e um dos maiores publicitários ingleses. Ele dita o gosto ocidental e está começando a comandar a China e Rússia, ou seja, globalização no sentido mais perverso."

(Entrevista a André Dib. Veja tudo aqui:
http://www.conexaomaringa.com/corptext.php?id=3572&autor=Affonso%20Romano%20de%20Sant%27%20Anna%20em%20entrevista%20ao%20Diario%20&item=entrevistas&menu=Entrevistas&mes=6&ano=2009)

Nenhum comentário: