quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Tetsuya Ishida... Já viu?

Se não viu ainda, veja aqui: Obras de ISHIDA

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

domingo, 20 de novembro de 2011

O artista hoje: entre o 'proponente' e o pedinte*

O artista hoje: entre o 'proponente' e o pedinte*


    Por / Almandrade


O artista que passa o tempo recluso na solidão do ateliê, trabalhando,
desenvolvendo sua experiência estética, como um operário da linguagem e do
pensamento, está em extinção. É coisa de museu.

Ou melhor, é raridade nos museus de arte, que estão deixando de ser
instituições de referência da memória para servir de cenários para
legitimação do espetáculo. Às vezes, com míseros recursos que ficamos até
sem saber direito: quando nos deparamos com baldes e bacias nessas
instituições, se são para amparar a goteira do telhado ou se se trata de
uma instalação, contemplada por um edital para aquisição de obras
contemporâneas...

O que interessa na politica cultural nem sempre é a arte e a cultura, e,
sim, o *glamour*. Em nome da arte contemporânea, faz-se qualquer coisa que
dê "visibilidade".

As políticas públicas foram relegadas às leis de incentivo à cultura e aos
editais públicos. Nunca se fez tantos editais neste País, como atualmente,
para, no fim das contas, fazer da arte um "suplemento cultural", o bolo da
noiva na festa de casamento.

Na fala do filósofo alemão Theodor
Adorno<http://pt.wikipedia.org/wiki/Theodor_W._Adorno>:
"As obras de arte que se apresentam sem resíduo à reflexão e ao pensamento
não são obras de arte". Do ponto de vista da reflexão, do pensamento e do
conhecimento, a cultura não é prioridade. Na política dos museus, o objeto
já não é mais o museu que se multiplicou, juntamente com os chamados
"centros culturais", nos últimos anos.

Com vaidade de supermercado, na maioria das vezes, eles disponibilizam
produtos perecíveis, novidades com prazo de validade, para estimular o
consumo, vetor de aquecimento da economia. A qualificação ficou no papel,
na publicidade do concurso.

Esses editais que bancam a cultura são iniciativas que vêm ganhando força.
Mostram ser um processo de seleção com regras claras para administrar o
repasse de recursos, muito bem vendidos na mídia, como métodos de
democratizar o "acesso" e a "distribuição de verbas" para as práticas
culturais.

Mas nem são tão democráticos assim. Podem ser um instrumento possível e
eficiente em certos casos, mas não são a solução, é possível funcionarem,
também, como escudo, para dissimular responsabilidades pela produção,
preservação e segurança do patrimônio cultural.

Considerando-se, ainda, a contratação de "consultorias", funcionários,
despesas de divulgação, inscrição... o trabalho árduo e apressado de
seleção... é tudo, enfim, um custo considerável, que, em último caso, gera
"serviços" e renda.

O artista contemporâneo deixa de ser artista para ser proponente,
empresário cultural, "captador" de recursos, um especialista na área de
elaboração de projetos, com conhecimentos indispensáveis de "processo
público" e interpretação de leis. Dedica grande parte de seu tempo a esse
negócio burocrático, que é a elaboração e execução de projetos, prestações
de contas etc., todos contaminado pela lógica do *marketing*... coisas
incompatíveis com o artista em si, que apostou na arte como uma "opção de
vida" e com forma de conhecimento, algo que exige dedicação exclusiva...

Ou, pior ainda: o artista fica à mercê de uma "produtora cultural", para
quem essa política de editais e fomento à cultura é, aliás, um excelente
negócio...

Mais uma coisa é preocupante: e se essa política de editais se estender até
a sucateada área da saúde, por exemplo? Imaginem uma "seleção pública" para
pacientes do Sistema Único de Saúde, que necessitem de procedimentos
médicos... Os que não forem "democraticamente contemplados", teriam de
apelar para a providência divina, já engarrafada com a demanda de tantos
pedidos...

Nem é bom imaginar. Que esta praga fique restrita aos limites da esfera
cultural... Na pior das hipóteses, é uma "torneira" que sempre se abre para
atender parte de uma superpopulação de artistas, proponentes, pedintes...

O artista, cada vez mais, é um técnico passivo com direito a diploma de
"bem comportado" em "preenchimento de formulário". E seu produto ficou
relegado ao controle dos burocratas do Estado, e à "boa vontade" dos
executivos de *marketing* das grandes empresas...

Se o projeto é bem apresentado, com boa "justificativa" de gastos e
retornos, o produto a ser patrocinado ou financiado... se é mediano, se é
excepcional, não importa! O que importa é a "formatação", a "objetividade"
do orçamento, a clareza das "etapas" e a "visibilidade", o "produto
final"...

Como sempre, existem as chamadas exceções, mas...

*Almandrade*

(artista plástico, poeta e arquiteto)

http://www.digestivocultural.com/colunistas/coluna.asp
 (recebido por e-mail)
Nota: Almandrade é artista plástico, arquiteto, mestre em desenho urbano, poeta e professor de teoria da arte das oficinas de arte do Museu de Arte Moderna da Bahia . Participou de várias mostras coletivas, entre elas: XII, XIII e XVI Bienal de São Paulo; "Em Busca da Essência" – mostra especial da XIX Bienal de São Paulo; IV Salão Nacional; Universo do Futebol (MAM/Rio); Feira Nacional (S.Paulo); II Salão Paulista, I Exposição Internacional de Escultura Efêmeras (Fortaleza), entre outros.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Projeto 10 Dimensões, Ciclo 2

Nos dias 10 e 11 de novembro, no IFERN (Cidade Alta, Natal-RN), ocorrerá o segundo evento do Ciclo 2 do Projeto na área de  Arte e Tecnologia - “10 Dimensões: Diálogos em rede, corpo, arte e tecnologia”. Esse será o 12ª encontro do projeto que terá como discussão a Dimensão Computacional. As atividades se iniciam às 17h30min no auditório do Campus Cidade Alta. 
       
       A Dimensão Computacional abordará as modificações pelas quais passa a computação, atualmente, na área de software e hardware, abertos e livres, assim como do surgimento de uma nova geração na área de arte e tecnologia e seus horizontes, trabalhando com plataformas mais leves e abertas, inclusive de programação.

Programação:
10 de novembro  (Quinta-feira)
14:30 – Oficinas
Computação criativa – SCRATCH (16 vagas)
Oficina Computação criativa- Scratch- Programa de introdução a programação de computadores lançado pelo MIT dirigido a crianças e iniciantes .
Introdução à programação – PURE DATA (16 vagas)
O que é um computador? O que é uma linguagem de programação? Introdução à lógica de programação; apresentando o Puredata; apresentando conceitos básicos do Puredata:
* Caixas de Objetos, Números, Símbolos e Mensagem;
* Conexões de Sinal e de Controle;
Processamento Audiovisual com o Puredata/GEM
17:30 – Bate-papo com:
Jeraman (LabOCA – Lab. de Computação e Artes – UFPE)
- Abrindo a caixa-preta: Arte e livre – conhecimento.
Vilson Vieira (MuSa – Multimídia, Sistemas e Artes – USP)
- Computação e Arte

11 de novembro (sexta-feira)
17:30 – Mesa redonda sobre criação artística e programação computacional
Jeraman (UFPE)
Vilson Vieira (USP)
Marcello Passos e Bruno Santos do LAVID – Lab. De Aplicações de Vídeo Digital (UFPB)
mediação:Prof. Moisés Cirilo – IFRN
19:30 – Oficina
Fluxos múltiplos de vídeo em tempo real – Ferramenta Arthron
Ferramenta Arthron foi desenvolvida pelo GTAVCS do LAVID, e possibilitou o uso de múltiplos fluxos de vídeo, a integração com a infraestrutura já existentes e a interação em tempo-real entre os participantes.

Para mais informações acesse o site www.10dimensoes.net ou siga-nos no twitter @10dimensoes

--



Projeto 10 Dimensões
UFRN  UFPB  IFRN  FAPERN
www.10dimensoes.net

domingo, 6 de novembro de 2011

Exposição Geo/Formas, de Anchieta Rolim


Mudar tamanho da fonteAumentar fonteDiminuir fonte
A exposição Geo/Formas, do artista plástico Anchieta Rolim, está aberta ao público no Palácio Potengi - Pinacoteca do Estado até o dia 4 de dezembro. A vernissage ocorreu na noite da quinta-feira, 3 de novembro. Rolim é escultor e pintor. Suas obras são o resultado da "inquietude" do pensamento de Rolim, que revela não ver a arte de maneira convencional. As obras dessa exposição fazem uma mistura de escultura e pintura e conduz a formas tridimensionais.

O escultor começou a carreira há aproximadamente 15 anos, mas somente há seis é que tem se dedicado a trabalhar esse aspecto conceitual de formas geométricas. Em suas telas de linhas curvilíneas, retilíneas, cores e formas, que se harmonizam numa composição que atinge a subjetividade de quem vê, o artista revela sua alma plena de expressividade.
Segundo Jota Medeiros, artista plástico responsável pela apresentação do catálogo da exposição, o trabalho de Rolim é construído com base nos elementos cromáticos formais fundamentados pelo pintor modernista francês Mondrian e recebe por nítida influência do cearense Sérvulo Esmeraldo.
Em sua trajetória constam cerca de vinte exposições coletivas e individuais e em seus planos a expansão de sua arte até a Europa.

Texto: Elizabeth Rose
Foto: Anchieta Xavier